Rodrigo Madeira

Rodrigo Madeira II

breviário das moscas

monomaníacas,
lindas como os rouxinóis:

as moscas.

inesgotáveis,
insuportáveis,

abertas às febres
todas, todos os modos (e cheiros, sabores)
de vida e morte,
como fosse a obsessão
um nirvana,
a paz
dos incansáveis.

benditas sejam
as moscas!

sua teimosia feroz,
filigrana de saliva,
único filamento
de brio.

voltar sempre, como
uma alma penada,
um cão com fome,

um homem

que, afogando-se,
quer porque quer

viver
por viver.

Rodrigo Madeira, nas raias do lançamento de “Pássaro Ruim”

~ por Barbara Kirchner em 09/10/2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: