Barbarismos

A lagarta do tempo anda a passos largos. E você não a alcança, como em pesadelo, no esforço de ir pra frente que não vai adiante. Uma lagarta, quiçá com a sorte do dia de ser borboleta, morrendo suicida ao vento.

Um fosso, profundo, coberto pelo frio que corre mandando na cabeça deste mundo. Lagarta no ventre nascido estéril, presa na solidão que grita: não há mais futuro.

~ por Barbara Kirchner em 14/03/0212.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: